Sábado, 26 de Abril de 2014

Changes of The Heart

Capitulo 12 - Encontros e Mais Encontros Parte 2

 

 

Mais uma vez os dois jovens almoçaram juntos, tal como no dia anterior. Depois de um logo tempo agradável na esplanada do bar onde tinham comido, a falarem e a conhecerem-se melhor, passaram o resto do tempo juntos sentados num muro de um parque de estacionamento.

Desta vez quem mais falou foi a simpática rapariga. Para sua surpresa, ele pediu-lhe para lhe contar como fora o seu tempo no colégio. Mary contou-lhe tudo com um pequeno sorriso inocente na cara, e contou-lhe também acerca da lista que estava a fazer com Kim e Alexa.

Justin levou uma mão ao bolso do casaco e voltou a levar um cigarro à boca, juntou as sobrancelhas ao acende-lo e quando o fez olhou-a.

 - E que coisas tem nessa lista?

 - Tu sabes, coisas que seria normal uma adolescente já ter experienciado mas que ainda não tive essa oportunidade. – olhou para baixo, para as suas pernas cruzadas á chinês.

 - Hum, estou a ver... E estás a ver alguma coisa em que te possa ajudar a riscar da lista? – Mary começou a pensar no assunto, e Justin sorriu soltando o fumo na sua direcção. Ela virou a cara na sua direcção e abriu a boca numa exclamação.

 - Não! Eu não posso fazer isso – abanou freneticamente a cabeça, fazendo-o rir.

 - Porquê? É uma coisa que normal que os adolescentes experimentam... – ela continuava a abanar a cabeça. – Tudo bem betinha, tu é que sabes. Também não te quero levar para maus caminhos – voltou a levar o cigarro à boca e moveu as sobrancelhas para a provocar.

Mary pensou melhor no assunto. Ele tinha razão, era uma experiencia normal da adolescência. E apenas um pouco para experimentar não lhe iria fazer mal, com certeza.

A rapariga fechou os olhos, suspirou e estendeu a mão na direcção do rapaz – tudo bem. Eu faço-o.

Ele olhou para ela e riu-se.

 - De certeza? Não te obrigo a fazer nada.

 - Não não, eu quero! – assegurou ela, endireitando-se e descruzando as pernas, deixando-as descair no muro. Justin voltou a rir-se e, depois de lhe dar todas as instruções para ela ser capaz de travar, entregou-lhe o cigarro. Ela fez exactamente como ele lhe explicara, e, ao sentir o fumo penetrar nos seus pulmões começou a tossir. Ele riu-se e agarrou no cigarro que ela lhe estendia de volta, acabando de uma vez com ele.

 - Foste feita para isto! – gozou ele.

 - Credo, isso é horrível! – declarou ela, ainda a tossir – Como é que consegues gostar daquele sabor terrível?!

 - Há pessoas que gostam à primeira, há outras que se limitam a habituar ao sabor. – encolheu os ombros.

 - Isso é estúpido! – pensou em voz alta. Se não gostam à primeira porque razão irão continuar só para se habituarem ao sabor? Se não gostam do sabor, melhor para eles, é da maneira que não têm problemas de saúde e não gastam dinheiro nisso!

 - Hey, as pessoas são estúpidas, por natureza! – ele levantou-se e começou a andar de volta para o carro – Anda, vamos! – chamou, fazendo-a levantar-se também e ir atrás dele.

∞∞∞

O Range Rover de Justin parou em frente á casa de Mary. Ela ia despedir-se dele e sair depressa do carro, antes que os seus pais chegassem e os vissem, mas deteve-se ao ouvir a sua voz.

 - Então e agora? Quando podemos repetir? – perguntou ele com uma voz baixa, olhando para ela. Mary, que tinha o seu olhar direccionado para as suas mãos, sorriu. Ele estava a gostar de passar tempo com ela, e isso agradava-a, porque o mesmo se passava com ela.

 - Bem – pôs uma madeixa de cabelo atrás da orelha e ergueu o olhar, encarando-o -, eu vou estar fora durante as ferias todas, portanto só mesmo quando as aulas recomeçarem.

 - E não pode ser antes? – ele nem se controlava antes de falar. Não ponderava se se devia conter ou simplesmente arriscar. Ele estava a gostar bastante de estar com ela, de conversar com ela. Ela fazia-o sentir-se bem.

 - Vou-me embora no sábado, e amanhã vou estar com a Alexa e a Kim. Não dá mesmo – ela fez uma careta.

 - Hum ok – disse baixinho, olhando para as mãos.

 - Mas ainda nos vemos amanha na escola, certo? – ele olhou para ela fazendo uma careta e emitindo um “ham...” – oh...tu não vais amanha?

 - É o último dia de aulas, não vou lá fazer nada – desculpou-se ele.

 - Pois é, és todo mauzão e rebelde, já me tinha esquecido – ele riu-se com a afirmação dela, ele tinha-lhe dito o mesmo em relação a ela no dia anterior, e ironicamente a razão era exatamente o oposto. -  Tu é que sabes – encolheu os ombros.

Estranhamente veio-lhe à cabeça o momento de há pouco, de ela a fumar. Também ele fechou os olhos e suspirou.

 - Tudo bem. Eu vou.

Ela cerrou os olhos e mostrou um pequeno sorriso provocador

 - De certeza? Não te obrigo a fazer nada. – repetiu ela as palavras dele.

 - Não não, eu quero ir! – riram-se os dois – mas vais ter de me ajudar a aturar a aula do Harries.

 - Tudo bem – disse ela.

Mary olhou para casa, pela janela, e de seguida de novo para ele.

 - Tenho de ir. Vemo-nos amanha na escola – despediu-se a sorrir.

 - Sim, vemo-nos amanha – concordou ele.

Mary deu-lhe um beijo rápido de despedida na bochecha e saiu do carro começando a caminhar para a casa. Depois de a ver entrar, ele suspirou, abanou a cabeça a sorrir e arrancou.

Músiquinha: Agir - Quando Não Estás
By: ♥ Annie ♥ às 17:53
Link'zinho | Ser fixe, e Comentar | Pessoas Fixes que Comentaram (6) | Favoritar
Sexta-feira, 11 de Abril de 2014

Changes of The Heart

Capitulo 12 - Encontros e Mais Encontros Parte 1

 

 

 - E tu aceitaste? – perguntou Kim. As três raparigas encontravam-se perto do cacifo de Mary, preparavam-se para irem almoçar. Mary tinha acabado de contar sobre o telefonema de Justin na noite anterior.

 - Claro que aceitou! – guinchou Alexa, entusiasmada. Mary riu-se. Ela era sempre assim.

 - Sim, aceitei – concordou –, mas disse-lhe para não se armar em idiota – as outras duas assentiram. – Vamos ver como corre...

 - E é para quando esse encontro?

 - Não sei ainda. Não tivemos oportunidade de falar bem – disse Mary fazendo uma careta.

Quando se afastavam dos cacifos para irem almoçar apareceu Justin do nada e agarrou o braço de Mary, começando a puxa-la, sem fazer muita força.

 - Tu vens comigo – disse apenas.

 - Hey espera – reclamou Mary impedindo-o de continuar a puxa-la. – Onde vamos?

 - Almoçar – declarou. – Vamos!

 - Bem, parece que agora – respondeu Mary a anterior pergunta de Alexa, que, juntamente com Kim, olhava para a situação com as sobrancelhas arqueadas.

 - Boa sorte! – acabou Alexa por dizer.

 - Até logo – acrescentou Kim. Olharam-se as duas e abanaram a cabeça, a rir-se, continuando depois a andar para irem almoçar.

∞∞∞

Foram no carro de Justin até um restaurante no centro da cidade. Depois de fazerem o pedido o silencio instalou-se por uns momentos. Mary estava pensativa. Ponderava se devia perguntar o que queria ou não, tinha duvidas que ele respondesse...

O rapaz tirou um maço de cigarros do bolso do casaco, tirou um cigarro e também um isqueiro, acendeu-o e voltou a guardar. Ponderou se haveria de oferecer um a Mary, mas depois lembrou-se da rapariga que tinha á sua frente e riu-se mentalmente.

Ela olhava-o atentamente e quando ele espeliu o primeiro bafo deciciu-se a prosseguir.

 - Posso te fazer uma pergunta? – juntou as sobrancelhas concentrada.

 - Claro – respondeu ele descontraidamente dando outra passa no cigarro.

 - Porque é que és assim? – Justin juntou as sobrancelhas, não percebendo a pergunta, e Mary abanou a cabeça por não se ter feito entender bem.

- Assim como?

Mary fez uma pausa para pensar bem.

 - Assim todo rebelde e mal comportado e despreocupado com a vida.

Justin riu-se. Ia brincar com a situação, como sempre fazia, mas ao olhar para a rapariga, para a sua expressão carregada e notavelmente curiosa, suspirou.

 - Não sei bem – respondeu enquanto apaga o cigarro. Essa pergunta pô-lo a pensar muito e ele teve de olhar bem para dentro de si para conseguir responder. Voltou a suspirar. – Bem, a minha mãe teve-me quando era ainda muito nova e passado um tempo o meu pai não aguentou a pressão e as dificuldades e acabou abandonar-nos. A vida não fora simpática nem fácil para mim e para a minha mãe e acho que por essa razão comecei a fazer algumas coisas assim estúpidas, irresponsáveis e que não devia. Não sei mas, a adrenalina que sentia... fazia-me esquecer os problemas. Gostava dessa sensação.

Mary assentiu com a cabeça

 - Mas se até tu admites que são coisas estúpidas, porque fazes?

 - Habituei-me – encolheu os ombros. - Acho que esta faceta de mauzão já se apoderou de mim. E fica-me demasiado bem para a abandonar. – ajeitou o casaco de cabedal e riu-se. Não sabia porque lhe estava a contar esta história, porque estava a desabafar ou porque estava a confiar nela, a verdade é que mal a conhecia, mas o seu rosto transmitia-lhe confiança e segurança. Ela transmitia-lhe conforto. E sem perceber muito bem como, abriu-se com ela. E até lhe estava a saber bem...

Ela também se riu com a sua última afirmação. Era verdade, aquele ar de mauzão até lhe ficava bastante bem.

 - E o teu pai? – perguntou ela com voz baixa – voltas-te a vê-lo depois de ele se ter ido embora?

 - Sim – Justin engoliu em seco – há cerca de três anos ele apareceu ai... casado e com dois filhos... disse que queria voltar a fazer parte da minha vida – Mary inquiriu-o com o olhar – demorou, mas acabei por aceita-lo de volta. Ele mudou-se para cá com a sua nova familia e pode-se dizer que é um pai presente.

Mary sorriu. Nunca pensou que o rapaz se fosse abrir assim com ela. A verdade é que não eram amigos, mal se conheciam na verdade, e a imagem que ele fazia transparecer era de um rapaz frio e que não gosta de desabafar, e dificilmente confia nas pessoas. Não sabia porque razão o tinha conseguido pôr a falar, mas isso agradava-lhe.

Quando acabaram de comer Mary olhou para o relógio.

 - É melhor voltarmos para a escola. Está quase na hora da última aula.

 - Então e se não voltássemos? – Justin chegou-se mais para a frente e arqueou as sobrancelhas.

 - Estás a falar em faltar? – o rapaz assentiu – Eu não posso faltar – ela negou com a cabeça.

 - Pois é, és toda certinha, já me tinha esquecido – Justin sorriu com ironia e ela revirou os olhos. – Na boa, vamos lá então para a escolinha!

No caminho de volta para a escola Mary voltou a debater-se com o que queria dizer.

 - Sabes... gostei muito de ter almoçado contigo hoje. Obrigada por me teres convidado.

Justin riu-se levemente. A sua extrema boa educação fazia-o rir.

 - Se quiseres podemos repetir. Que tal amanhã? – Ela sorriu.

 - Perfeito. E até tenho tarde livre, escusamos de faltar às aulas e tudo.

 - Perfeito! – Ele repetiu as suas palavras e voltou a rir.

Ao chegar à escola separaram-se na sala de alunos para cada um seguir para a sua aula.

Músiquinha: Nicki Minaj - Pound The Alarm
By: ♥ Annie ♥ às 00:00
Link'zinho | Ser fixe, e Comentar | Pessoas Fixes que Comentaram (3) | Favoritar
Domingo, 16 de Março de 2014

Changes of The Heart

Capitulo 11 - Reação do Dia Seguinte

 

 

Estavam na sua hora de almoço e as três raparigas caminhavam pelos corredores da escola, já depois de terem almoçado. Ao fundo do corredor apareceu Justin, com uma mão no bolso e outra a agarrar a alça da mochila que estava num dos seus ombros. Quando estava prestes a passar por elas Justin sorriu.

 - Bom dia meninas! – disse ele com um sorriso estúpido na cara.

 - Bom dia – responderam as três em coro.

 - Tudo bem? – acrescentou, ainda a sorrir, olhando a rapariga loira.

 - Sim, tudo óptimo! – respondeu Mary com um sorriso sarcástico.

 - Uh alguém esta de mau humor... – gozou ele – que se passa miúda? Não te divertiste na feira?

 - Tinha me divertido mais se não houvesse lá tantos idiotas

 - Eh calma betinha – reagiu Justin – tens de te descontrair mais. Olha que isso faz rugas – apontou para a cara contraída da rapariga. De seguida passou por elas e foi-se embora, ainda a sorrir. Mary bufou e começou a andar em direcção aos sofás que estavam mais adiante para depois se sentar enquanto chamava o Justin de idiota na sua mente, vezes seguidas. Kim e Alexa seguiram-na e sentaram-se a seu lado, com uma cara confusa.

 - Que foi aquilo? – Perguntou Kim. Não percebiam nada do que se tinha acabado de passar entre aqueles dois.

 - Ele... – começou – Nós beijamo-nos. Na feira – as outras duas esbugalharam os olhos, chocadas.

 - O quê? Como assim? – reagiu Alexa perplexa.

 - Ele agarrou-me, puxou-me e beijou-me. E depois foi-se embora. – explicou Mary, transparecendo calma.

 - Tu? Curtis-te com o Justin McCann? Oh meu deus! – guinchou Alexa, visivelmente chocada e ao mesmo tempo entusiasmada. Como é que aquilo tinha acontecido? Não estando a querer dizer que a amiga não fosse suficiente boa para ele, apenas não percebia porque ela não era de todo o género dele, pelo que percebia. Ele andava com várias raparigas, e de certeza que ela não tinha conhecimento da maior parte delas, era verdade, mas nunca o tinha visto o mínimo interessado numa rapariga como a amiga: bem-educada, estudiosa, inocente. “Bem, há uma primeira vez para tudo”, ponderou.

 - Sim, parece que sim – suspirou a rapariga loira.

 - Então e como é que foi? – perguntou Kim, olhando-a.

 - Como foi? – não tinha percebido bem o sentido da pergunta.

 - Sim, ele beija bem? – perguntou Alexa a sorrir e com as sobrancelhas arqueadas. Mary corou. Sim, pensara, mas a verdade é que não tinha como comparar se tinha sido bom ou mau.

 - Não é isso – continuou Kim. – Como é que te sentis-te?

 - Bem – começou, pensando e ponderando na resposta. – a verdade é que não tenho muita experiencia no assunto para dizer se foi um bom beijo ou não. Na verdade nenhuma experiência. – as outras duas continuavam a olha-la e a ouvi-la atentamente – Nunca tinha beijado um rapaz antes – as amigas não pareciam surpreendidas com a afirmação da loira. Ela tinha andado num colégio apenas com raparigas, era normal que nunca tivesse estado com um rapaz.

 - E ficaste desapontada por ter sido com ele? – Kim parecia ler os pensamentos da rapariga.

 - Desapontada? – interveio Alexa – ele é lindo! Até pode ser um mau partido, mas é lindo.

 - Alexa! – repreendeu Kim.

Mary riu-se – Sim, ele é lindo – concordou com a amiga. – Mas, quando se espera tanto tempo por uma coisa criam-se algumas expectativas. Eu tinha sonhado com o primeiro beijo perfeito, com o rapaz perfeito, de quem eu gostasse muito e o sentimento fosse mutuo – fez uma pausa e suspirou. -  Em vez disso foi com o Justin, que apesar de ser lindo – olhou para Alexa a sorrir – é um rapaz que mal conheço, e o que conheço não é particularmente bom, e apanhou-me completamente desprevenida e fora apenas para ele se poder divertir um pouco – voltou a suspirar. - Sei que estamos apenas a falar de um beijo estúpido, mas eu tinha pensado em tudo e esperava que fosse alguma coisa que me fosse lembrar mais tarde como perfeita e amorosa.

 - Ohh não é nada estúpido – tranquilizou Kim. – É querido pensares assim. E o primeiro beijo é um momento que deve ser lembrado para sempre. Também é considerado importante.

 - Sim, e o Justin é um estúpido por te ter tirado o teu beijo de sonhos – Concordou Alexa. Quando tocou para a entrada as três amigas separaram-se para irem para as respectivas aulas. Mary sentia-se melhor, agora que tinha desabafado com as amigas. Sentiu-se grata por ter feito amizade com elas mal chegou. Elas estavam a mostrar-se óptimas amigas.

∞∞∞

Já na última semana de aulas Mary respirava de alivio por já ter acabado os testes e por as suas notas terem sido bastante boas. Tinha tido as melhores notas da turma em todas as suas disciplinas. Sentia-se até orgulhosa de si mesma, e os seus pais também.

Terça feira á tarde ela encontrava-se no quarto, apenas deitada na cama a ler e ouvir musica, feliz por poder ficar uns tempos afastada dos livros e cadernos. Como não achava a matéria muito difícil, considerou que não teria de estudar nas férias de natal, sem contar com uma revisãozinha que faria pouco antes das aulas começarem para se relembrar.

O telemóvel de Mary começou a tocar, e ela fez uma careta quando foi atender. Não conhecia o número.

 - Sim? – atendeu.

 - Olá betinha, tudo fixe? – Mary esbugalhou os olhos ao ouvir aquela voz, e aquela alcunha.

 - Justin? – perguntou com uma voz confusa. - Como conseguiste o meu número?

 - Tenho os meus métodos – ele clareou a garganta.

 - Ah, hum, e o que queres de mim? – continuava confusa. Porque estaria Justin a ligar-lhe? Assim de repente não se lembrava de nenhum assunto que tivessem para conversar.

 - Estive a pensar, por acaso não queres ir sair um dia destes? – Mary sorriu

 - Por acaso estás a convidar-me para um encontro?

 - É o que lhe quiseres chamar. Queres ou não? – a educada rapariga não ligou ao modo como ele falou, já era habito.

 - Aceito – disse depois de pensar um pouco no assunto – Com a condição de não te armares em idiota. – acrescentou logo a seguir, a pensar na última vez que estiveram juntos.

 - Não sei de que falas – ele riu-se. Mary ouviu passos no corredor e depois bateram á porta. A sua mãe chamou-a para jantar e voltou a sair.

 - Tenho de ir – disse.

 - Ok, falamos depois – despediu-se ele.

 - Até manha – Desligou a chamada a sorrir e desceu para jantar. Os seus pais estavam já sentados á sua espera e começaram a comer depois de ela se sentar.

 - Estava a falar com quem? – perguntou-lhe a sua mãe, por mera curiosidade.

 - Com a Kim – Mary não desviou o olhar do prato ao responder. Odiava mentir. Principalmente aos pais, mas rapazes não era definitivamente um assunto para se falar com eles.

∞∞∞

Justin desligou a chamada com um sorriso na cara, mesmo sem dar por ele. Já tinha passado algum tempo desde o seu súbito interesse na rapariga certinha, e a verdade é que nem tinha sentido necessidade de voltar a estar com ela durante esse tempo, depois do seu encontro na feira. Estivera entretido com umas quantas raparigas que ia conhecendo durante esse tempo. Quando se fartara de Sheilla, a sua ultima conquista, há cerca de uma semana, começou a sentir-se sozinho e a precisar novamente de acção.

Voltara a lembrar-se de Mary e em como seria divertido conseguir tê-la. Não tinha esquecido essa ideia nem esse desejo, apenas se tinha distraído, com tantas outras diversões á sua volta.

Uns dias depois desse relembro pediu o numero da rapariga a um amigo seu e nessa tarde decidira ligar-lhe. Ela, claro achara estranho ele estar a ligar-lhe. Foi directo ao assunto e perguntou se ela queria sair com ele. Ela aceitou, apesar de ter dado um nome pomposo á coisa e de ter imposto a condição de ele se portar bem, o que o fez rir. Depois de ela desligar ficou a pensar no assunto. Lembrou-se do seu último encontro com a rapariga e lembrou-se no tipo de rapariga que ela era. Chegou á conclusão que, se calhar, agira muito precipitadamente na noite da feira. Muito provavelmente ela tinha ficado a acha-lo ainda mais arrogante e idiota do que já achava. Mas então porque tinha aceite sair com ele? Justin não conseguia arranjar uma resposta para isso. Resolveu então ter mais calma com ela e não voltar a precipitar-se, para não a afugentar, mas não prometia que fosse bem sucedido.

 

Ok, e um mês depois aqui está mais um capitulo. Tenho mesmo de escrever mais e mais depressa.

Odeio demorar tanto tempo a escrever...

O titulo esta um bocado estúpido, mas não conseguia arranjar mesmo nada..

Mas obrigada a quem lê e comenta, obrigada mesmo. Adoro-vos s2

Músiquinha: Zedd ft. Matthew Koma & Miriam Bryant - Find You
By: ♥ Annie ♥ às 16:27
Link'zinho | Ser fixe, e Comentar | Pessoas Fixes que Comentaram (10) | Favoritar

Me, Myself and I

Pesquisar

 

Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30

Posts Recentes

Changes of The Heart

Changes of The Heart

Changes of The Heart

Changes of The Heart

Bloqueio de escrita

Changes of The Heart

Changes of The Heart

Changes of The Heart

Changes of The Heart

Changes of The Heart

Arquivos

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Janeiro 2012